domingo, 1 de maio de 2011

Nuvem Cinzenta



Nada, o vazio
Alma desnuda e oca
Vazia
A luz obscurecida pelas nuvens
Cinzentas, plúmbeas, pesadas
O vazio ecoando o ressoar dos segundos
Ela aproxima-se, sorrindo
Esgar descarnado numa face doce
Estende-me a mão
A loucura que assola
Espírito louco e atormentado
A dor do vazio
A queda no abismo
Eterna
Que acaba enfim
Peito trespassado
Pela dor de um sorriso

Pembroke
1 de Maio de 2011

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nobita escreveu: