sexta-feira, 6 de maio de 2011

O Bêbado


Tez macilenta, barba por fazer
Olhos raiados de sangue
Levou o copo aos lábios
Vinho amargo e barato
Escorregou
Queimou o caminho
Ulcerando uma vida

Voltou a encher o copo
Vinho vermelho
De sangue
Fazendo renascer memórias
Vivas
Ardentes
De cheiros e sabores
Vinhos novos, acabados de abrir
Bebeu
Um trago amargo de fel
Que lhe embotou o cérebro
Maldito vinho falsificado
Com falsas promessas de Olimpo e Baco

Olhando para a rua
Olhos dardejando raios de sangue
Viu a noite
Amena
Cálida
Maldita a sede que me atormenta
E bebeu da garrafa
Tingindo o peito de vermelho

Deitado na mesa vomitava
Bílis tinta de vinho
Sabor amargo na boca
Pingos de miséria escorrendo
De uma boca descarnada
Urinando sangue
Defecando a vida
Olhou
A noite calma e maternal
Sorriu
O sorriso de um bêbado
Hálito pestilento
Escorrendo miasmas
A noite abraçou-o
Envolvendo-o no seu colo
Protegendo-o
Amando-o
Enfim…

Pembroke
5 de Maio de 2011

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nobita escreveu: