sexta-feira, 22 de abril de 2011

Nocturna

A falta de ar é atroz
O cansaço queima-me o corpo
Ofegante
Começou num olhar
Numa troca de palavras
Um roçar de lábios
Um beijo e o sabor da adrenalina
Os demónios enfim libertos
Enchem minha mão, minha boca
O perfume que me embriaga
Que me enlouquece
Olhos bem abertos
Lábios entreabertos
A arfar
A loucura que invade
È macio e quente
Algo que me envolve
Que me enlouquece
Já cego de olhos cerrados
Narinas abertas numa respiração forte
Saboreio delicadamente o fruto
Carnudo e vibrante
Ondas de energia sacodem-me
Coração aos saltos palpitando
Cerros os olhos
A cabeça a explodir
E grito ao Universo
Estou vivo….
O folha cai ao sabor do vento
Aterrando na escuridão
Abro os olhos e oiço o silêncio.
Estou só na noite….

Pembroke
22 de Abril de 2011

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nobita escreveu: