quinta-feira, 7 de agosto de 2008

O felino




Passeando incessantemente
Barras de aço que aprisionam
Olhos amarelos de medo e ódio
Rugindo em fúrias fugazes
Esmurrando o ar
Garras gastas de tanto andar
Deita-se no canto
Sua jaula fétida
Lambe suas feridas
Chora a sua sorte
Sonha o seu paraíso
Longínquas memórias
Mortas
Como o ar que respira
Suspira
Recomeça o passeio
Sem fim…

Sines, 7 de Agosto de 2008

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nobita escreveu: