segunda-feira, 20 de abril de 2015

Hoje chorei

Hoje chorei como não chorava há muito tempo. Chorei de dor e saudade. Chorei a perda.
Chorei a percepção do para sempre, da eternidade, do nunca mais.
A saudade apertou-me o peito num abraço fraternal, ela acompanhar-me-á até ao final dos meus dias. Será a minha companheira nas noites sem fim, olhando as estrela e conversando, lembrando o passado, lembrando a saudade, a memória, a dor sem fim.
Sozinho, sentado na minha cadeira olho um ecrã vazio de vida, as lágrimas correram enquanto lia a mensagem, a dor voltou, a dor que se recusa a morrer, a dor que eu recuso matar. A dor que mantém viva a memória daquele sorriso.
Hoje chorei, amanhã chorarei ainda mais. Não quero perder o que me resta, a memória, a lembrança de tudo o que resta e se desvaneceu em fumo, espalhando-se ao vento, ocupando o infinito, sendo espírito.
Amargas são as lágrimas que derramo, doces são as memórias.
Um beijo onde quer que estejas, eu estarei sempre aqui, olhando por ti.


18 de Abril de 2015

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nobita escreveu: