segunda-feira, 17 de novembro de 2014

VELHO LOBO

Um velho lobo caçando
Longe, na estepe nua
Na noite de luz crua
Uiva a sua solidão

Está frio
Sopram os ventos dos tempos
A alma gela, mortal
Sonhos que morrem
Realidades ténues
Sucumbem ao som do tempo
Está frio

Patas doridas e recomeça a busca
A alcateia espera
Silenciosa
O silêncio dos fim dos tempos
Que se estende negro
Como uma vaga na praia da vida
Onda leve que avança no baixio 
Molhando e mergulhando
Tudo
No frio do azul, no frio do tempo
Empurrando as pequenas conchas
Brilhantes
Breves lampejos de vida
Na noite que se aproxima

Lá em cima as estrelas
Começam a brilhar.

16 de Novembro de 2014

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nobita escreveu: